quinta-feira, 12 de julho de 2018

Retirada das Válvulas em Maio/2018

Enfermeira Felício Rocho

reconstrucao2.jpg
Essa foto foi tirada na minha saída do hospital. No outro dia, trabalhei normalmente e mais uma etapa vencida.

Olá Guerreiras, mais uma vez aqui com vocês dividindo os meus processos após o Câncer de Mama.
Costumo dizer que cada dia é uma vitória. Repito sempre para mim mesma que tenho "o aqui e agora" para viver e preciso fazer o melhor no meu dia.
Dia 20 de novembro de 2014, quando fiz a mastectomia bilaterial, coloquei próteses mamárias com expansor, um para cada mama, que é um dos métodos de reconstrução das mamas. Os dispositivos expansores ( próteses ) foram implantados atrás do músculo peitoral. Esses expansores foram preenchidos com soro fisiológico, em várias consultas com o Dr. Marcelo Versiani.
A expansão é feita lentamente, através de válvulas até as mamas adquirirem o volume necessário e estético.
O preenchimento  ocorre em um perído de 4 a 8 semanas. Essas próteses duram em torno de 12 anos.
As próteses foram implanadas no mesmo dia da mastectomia e segui todas as indicações passadas pelos meus médicos. Fiz o repouso como solicitado e contava com auxílio para levantar da cama e tomar banho.
Numa consulta, em janeiro 2018, com o meu mastologia, Dr. Luís Cláudio dos Santos,  ele me perguntou qual o motivo de não ter ainda retirado  as válvulas, que é por onde se enche a prótese com soro fisiológico. Como as próteses já estavam definitivas, tirar as válvulas me daria mais conforto, pois sentia incomodo quando usava um sutiã mais duro.
Nesse mês de maio 2018, agendei uma consulta com o conceituado cirurgião plástico Dr. Marcelo Versiani e retiramos as válvulas. Fiz uma pequena cirurgia, no Hospital Felício Rocho. Foi super tranquila. Fui embora no mesmo dia do hospital sem nenhuma dor.

Hoje pergunto qual o motivo de não ter retirado as vávulas antes, pois o conforto é muito melhor. 

Vamos que vamos confiantes sempre na nossa cura!!!
Só tenho que agradecer!!! Um beijo carinhoso em cada uma de vocês!!!

quinta-feira, 22 de março de 2018

Consulta com Dr. Renato, oncologista!

Dr. Renato Nogueira - Oncologista
Queridas Guerreiras!
Estava com saudades de vocês! 
Saudades de postar notícias por aqui. 
Prometi que mesmo depois da minha cura, iria continuar escrevendo para vocês, dando notícias. Senti essa necessidade quando busquei outros blogs em 2014 e poucas guerreiras contavam como estavam depois da cura. 
E quando descobrimos o Câncer de Mama, buscamos informações de quem já passou pelo tratamento, com outra guerreira.  
É muito bom ter esse suporte!! Até hoje, por causa do blog, tenho contato com guerreiras de todo o país. 
Acho importante contar para vocês os passos após o tratamento quimioterápico. 
Falando agora de vocês, espero que todas vocês estejam bem, buscando a cura, cuidando da saúde e crescendo com essa fase de grandes aprendizados! 
Realmente é uma luta, mas vale a pena vencermos!!! E como vale! 
A vida é preciosa!! 
Quatro anos se  passaram da descoberta do meu câncer de mama e, agora estou na fase dos medicamentos.
Hoje em consulta de rotina com o meu querido oncologista Dr. Renato, levei meus exames que preciso fazer de seis em seis meses: 
Hemograma, ultrassom endo vaginal, ultrassom abdominal, raio x do tórax. Por causa da minha prótese, mastectomia bilateral, faço a mamografia de dois em dois anos.
Em outubro de 2017, houve mudanças no meu medicamento. Depois de quase três anos de Tamoxifeno, um modulador que bloqueia a atividade do estrogênio, foi substituído pelo Anastrozol. 
Tamoxifeno estava sobrecarregando meu fígado (Esteatose Hepática). 
Anastrozol é um inibidor da aromatase e bloqueia sua ação, diminuindo a quantidade de estrogênio em mulheres na pós-menopausa e interrompe a produção de hormônio.
Oncomed - Enfermeira Ana
Pegando meu medicamento!
Ana Tereza Veloso Costa
Pensei que ia melhorar minhas ondas de calor (fogaços), que nada piorou!!! De repente, transpiro muitooooooo. Sabe o que faço? Relaxo, respiro profundamente, pois não tem muita coisa para fazer, rs. A onda passa logo, aprendi a viver com ela! 
Uma das contra-indicações do medicamento são dores nas mãos, pés e nas articulações. 
Pela manhã é punk, pois acordo com a minha mão muito inchada e com mais dificuldade de mexer. 
No decorrer do dia vai melhorando! E acabo nem sentindo mais as dores. Que maravilha! 
Dr. Renato me informou que a acupuntura pode ajudar muito nessas dores e agora, em abril, começo minhas sessões. Depois eu conto pra vocês!!
Agora é acostumar com tudo isso e agradecer esse medicamento e saber que tenho cinco anos de uso de Anastrozol pela frente!! Acredito sempre na medicina e nos medicamentos. Muito Obrigada Senhor!
Vamos que vamos confiantes na cura sempreeeee!!! 

terça-feira, 22 de agosto de 2017

TOUCAS DURANTE A QUIMIOTERAPIA

Resfriamento do couro cabeludo durante a quimioterapia

A quimioterapia é indicada em diferentes ocasiões para tratamento do câncer de mama. Nos casos onde a doença pode ser curada (que são a maioria), a quimioterapia tem o objetivo de tratar células microscópicas que possam ter escapado para a corrente sanguínea (micrometástases).
Assim como o tratamento quimioterápico mata células malignas, também mata células benignas que possuem crescimento rápido, como as dos folículos pilosos. A queda dos cabelos é um dos principais sintomas que preocupam as pacientes e causam estresse e perda de qualidade de vida.
As toucas hipotérmicas e os sistemas de resfriamentos do couro cabeludo são espécies de capacetes que devem ser usados antes, durante e após a infusão de quimioterapia, com o objetivo de diminuir ou evitar a queda de cabelos. As toucas são preenchidas com hidrogel, que pode chegar a temperaturas entre -40°C e -26°C.
O racional é fazer a constrição de vasos sanguíneos que chegam ao couro cabeludo, reduzindo a quantidade de quimioterapia que atinge os folículos pilosos (3). Dessa forma, a chance de perda de cabelos é menor. O resfriamento também diminui a atividade dos folículos pilosos, diminuindo a velocidade de divisão celular, fazendo com que a quimioterapia tenha menos ação sobre eles (4).
Durante a quimioterapia, as toucas devem ser utilizadas nos seguintes momentos:
– 20 a 50 minutos antes da quimioterapia iniciar;
– durante toda a quimioterapia;
– após a quimioterapia – o tempo dependerá de qual protocolo estiver sendo utilizado.

Tipos de resfriamento:
  • Toucas hipotérmicas: semelhantes a pacotes de gelo; ficam armazenadas em freezer especial (que atinge baixas temperaturas) antes de serem usadas e derretem durante a quimioterapia, devendo ser trocadas em intervalos frequentes (a cada 30-45 minutos).
  • Sistemas de resfriamento do couro cabeludo: a touca fica ligada a uma máquina na qual circula um líquido de resfriamento, fazendo com que a touca não precise ser trocada durante a quimioterapia.

  • Como efeito adverso do uso das toucas hipotérmicas, pode haver cefaléia durante seu uso (4). Muitas pacientes sentem bastante frio durante o uso das toucas, sendo recomendado o uso de roupas quentes de inverno e cobertores.
    Cuidados com os cabelos durante todo o tratamento quimioterápico para pacientes que optem por usar toucas hipotérmicas:
    – não usar secador, rolos ou chapinha;
    – lavar com xampu apenas a cada 3 dias, com água fria;
    – não pintar nem tonalizar até 3 meses após término da quimioterapia;
    – pentear e escovar com cuidado.

    O custo das toucas depende do fabricante e do número de sessões de quimioterapia. Um limitante ao uso das toucas hipotérmicas seria um risco potencial de desenvolver metástases em couro cabeludo, uma vez que os quimioterápicos não chegariam neste local para matar células malignas que poderiam estar presentes. Alguns estudos já tem demonstrado que o risco de metástases em couro cabeludo não é maior com o uso das toucas.
    É importante salientar que as toucas hipotérmicas não funcionam para todas as pessoas. A efetividade varia de 50-65%, com resultados melhores para pacientes que recebem quimioterapia apenas com taxanos. Os resultados para antraciclinas não são tão bons. O sucesso na retenção dos cabelos depende de como as toucas são ajustadas na cabeça, o que depende de uma curva de aprendizado por parte das equipes que manipulam as toucas. As toucas devem ser fixadas de maneira bem firme à cabeça.
    O estudo Scalp Cooling Alopecia Prevention (SCALP) randomizou 182 pacientes com câncer de mama em estágios I e II que receberiam no mínimo 4 ciclos de taxanos e/ou antraciclinas para usar o sistema Paxman de resfriamento de couro cabeludo ou não usar método algum (4). Foram excluídas pacientes com história de alopecia acima de grau 0 (pelo Common Terminology Criteria for Adverse Events version 4.0 – CTCAE v4.0), quimioterapia prévia, enxaqueca, hipotireoidismo, hepatite, diabete descompensada, anorexia ou anemia grave. O questionário de qualidade de vida Core 30 do European Organisation for Research and Treatment (EORTC QLQ-C30), a Escala de Ansiedade Hospitalar (HADS), e a Escala de Imagem Corporal (BIS) foram administrados antes do tratamento, após 4 ciclos de quimioterapia e após completar o tratamento, para quem recebeu mais de 4 ciclos. O desfecho primário foi o sucesso na preservação dos cabelos após o 4° ciclo de quimioterapia, definido como alopecia grau 0 (sem perda de cabelos) ou grau 1 (perda de menos de 50% do cabelo, sem necessidade de peruca). Das pacientes incluídas, 64% receberam taxanos e 36% receberam antraciclinas. A preservação de cabelos com antraciclinas foi de 16% (IC 95% 4-46%) e com taxanos, de 59% (IC 95% 27-84%). O uso de perucas ou lenços foi necessário para 63% das pacientes que usaram o Paxman. Não houve diferenças nos escores de qualidade de vida entre o grupo que usou e o que não usou o sistema Paxman. O grupo que usou o Paxman teve afeitos adversos graus 1 (n=46) e 2 (n=8; 7 cefaléias e 1 dor no couro cabeludo) apenas, incluindo calafrios, cefaléia, náuseas, tonturas parestesias, prurido, dor em seios da face, ulcerações de pele, pele seca, dor no couro cabeludo e outros problemas cutâneos.
    As maiores taxas de sucesso na preservação dos cabelos ocorre com o uso do quimioterápico paclitaxel (ou taxol) semanalmente, seguido do uso de docetaxel a cada 21 dias e, por fim, com taxas bem menores de preservação, o uso de antraciclinas (10,11).
    O uso do resfriamento do couro cabeludo é contra-indicado em casos de doenças de aglutininas frias, crioglobulinemia e criofibrinogenemia e no caso de doenças que possuem células circulando no sangue, como leucemias e linfomas (12).
     http://www.infomama.com.br

terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

Câncer de Mama - Fique por dentro e saiba como prevenir!!!

FIQUE POR DENTRO DO ASSUNTO E SAIBA COMO SE PREVENIR

POR QUE FAZER O AUTOEXAME 

- É fácil e você mesma faz.
- Conhecendo a sua mama, estará habilitada a identificar desvios de normalidade se ocorrerem.
- Detecção precoce leva a um tratamento com maior chance de sucesso.

QUANDO

- O melhor momento é logo depois da menstruação. 
- Após a menopausa, estabeleça a mesma data a cada mês.

COMO FAZER

- Em pé, em frente ao espelho, coloque as mãos na cintura.
- Após, com as mãos na nuca, incline o tórax para a frente.
- Observe e compare as duas mamas, tentando verificar sinais de alerta.

DEITADA

- Coloque um travesseiro abaixo do ombro direito.
- Mão direita atrás da cabeça.
- Mão esquerda apalpando a mama direita com a ponta dos dedos.
- Repita as manobras do outro lado.

FAZENDO O AUTOEXAME

- Pressione firmemente em movimentos circulares o tecido mamário. Você irá sentir a textura e o molde da mama.
- Compare o exame de uma mama com a outra. Quanto à pressão dos dedos: procure apalpar com a face interna (polpa dos três dedos médios). Se tiver dúvidas, procure seu médico.
- O movimento dos dedos pode ser circular, para cima e para baixo, no sentido de afastamento do mamilo e inverso.

SINAIS DE ALERTA 

- Nódulo (abaulamento da pele).
- Retração da pele.
- Desvio ou retração do mamilo.
- Edema de pele (inchume da mama).
- Aumento da vascularização localizada.
- Sangramento pelo mamilo.
• FonteServiço de Mastologia do Grupo Hospitalar Conceição

Início de 2017 visita ao Mastologista Dr. Luís Cláudio dos Santos

Mastologista Dr. Luís Cláudio dos Santos

Olá Guerreiras!!
Como vocês tem acompanhado, o início de 2017, agendo minhas consultas  com os meus médicos. Essa semana, foi com o conceituado mastologista Dr. Luís Cláudio dos Santos.
E graças a Deus, tudo ótimo com minha saúde. 
Fico muito feliz com essas boas novas.
Agora meu retorno será em outubro para novos check ups.
Vamos que vamos confiantes na cura!!
Atenciosa Lurdinha sempre alegre!!!

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

Retorno ao oncologista!! Tudo ok!! Ufaaaa!!!

Tudo ok!!! 
Olá Guerreiras!!!
Espero que tudo esteja correndo bem no tratamento de cada uma de vocês. 
Com certeza, precisamos ser guerreiras para enfrentar essa jornada de cirurgia, quimioterapia, radioterapia, medicamentos e seus efeitos. 
Não é nada fácil!!! Porém, chega um dia que termina essa labuta e começa somente a prevenção contra o Câncer de Mama. 
Para isso, precisamos visitar semestralmente os nossos médicos (oncologista, mastologista e cirurgião plástico, pois fiz mastectomia bilateral). Essas consultas e todos os exames solicitados, precisam fazer parte da nossa rotina!
Como faço uso do medicamento tamoxifeno, preciso também consultar semestralmente meu ginecologista. 
Dr. Renato Nogueira - Oncologista
Hoje, acabei de sair do meu querido e estimado oncologista Dr. Renato Nogueira da Costa, um profissional muito competente. Agradeço muito ter escolhido essa pessoa humana e generosa como meu médico.
Levei todos os exames solicitados e graças ao Pai Celestial estão todos ótimos!!  Uhuuuuuu!!!
Que maravilhaaaa!!
Para mim, essa notícia é maravilhoooosa!! 
Meu coração encheu de alegria e de querer viver cada dia mais, cheia de prazeres, de alegrias, de amor e desfrutar cada dia, cada momento, estar inteira no meu presente!! Muito Obrigada pela vida Senhor Jesus!!!!
Conversando animadamente com meu oncologista, ele me falou de uma oração maravilhosa e poderosa de Jabez, que compartilho com todas vocês:

"OH! DEUS ME ABENÇOE
E ME ALARGUES AS FRONTEIRAS,
QUE SEJA COMIGO A TUA MÃO E ME PRESERVES DO MAL,
DE MODO QUE NÃO ME SOBREVENHA AFLIÇÕES."

Que a Paz e o Amor de Cristo estejam sempre consigo e com os seus entes queridos, amém! 
Vamos que vamos confiantes na cura!! 


segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

Como limões podem ajudar a identificar câncer de mama

Como limões podem ajudar a identificar câncer de mama

Campanha 'Know Your Lemons' foi compartilhada milhares de vezes nas redes sociais. Limões são metáforas dos seios.


A campanha mostra em 12 limões os sinais do câncer de mama e o aspecto que a doença dá ao seio (Foto: Worldwide Breast Cancer)

As mulheres costumam achar que sabem quais são os sinais do câncer de mama, até o momento em que precisam examinar os próprios seios. Nessa hora, certezas dão lugar a dúvidas.
É um caroço o que estou sentindo? Devo me preocupar com essa ondulação na minha pele? O que exatamente estou tentando sentir?
Estas eram as preocupações da jovem designer Corrine Beaumont ao criar a campanha Know Your Lemons (Conheça Seus Limões, em inglês), que na última semana foi compartilhada mais de 32 mil vezes no Facebook. Corrine perdeu as duas avós para o câncer de mama, aos 40 e 62 anos.                 


Metáfora dos seios

Os limões passaram a ser uma metáfora dos seios, na busca da designer por uma maneira simples de mostrar os sintomas do câncer de mama.
Corrine descreve a caixa de ovos cheia de limões como uma imagem divertida para ajudar as mulheres a superarem o medo da doença.
"Algumas pacientes não querem falar sobre os seios ou olhar para eles", diz.
"Frequentemente, as mulheres usadas nas campanhas de combate à doença não parecem gente comum."
A campanha está sendo adotada nos Estados Unidos, Espanha, Turquia, Líbano e foi traduzida para 16 idiomas.
Corrine deixou o emprego e fundou a organização não governamental Worldwide Breast Cancer.

'Informação verdadeira'

Embora a campanha Know Your Lemons exista desde 2003, foi só agora que a sua imagem mais simbólica viralizou, depois de ser compartilhada nas redes sociais pela americana Erin Smith Chieze.
Ela foi diagnosticada com câncer em estágio avançado depois de descobrir que tinha uma covinha no seio.
Erin procurou o médico ao ver a foto dos limões mostrando como se parece um seio doente.
"Se não tivesse visto, por acaso, uma foto com informação verdadeira, eu não saberia o que procurar", postou Erin.
Muitos elogiam a campanha Know Your Lemons por ser colorida e clara - a mensagem importante não se perde em meio a muitas palavras.


O câncer de mama é o mais comum e o que mais mata as mulheres no mundo.
No Brasil, responde por cerca de 25% dos casos novos de câncer a cada ano, de acordo com o Instituto Nacional de Câncer (Inca).
Relativamente raro antes dos 35 anos, acima desta idade sua incidência cresce progressivamente, especialmente após os 50 anos.
Estatísticas indicam um aumento da sua incidência tanto nos países desenvolvidos quanto nos em desenvolvimento.
Existem vários tipos de câncer de mama. Alguns evoluem de forma rápida, outros, não. A maioria dos casos tem bom prognóstico.
A previsão do Inca em 2016 era de 57.960 casos de câncer de mama entre mulheres no Brasil.
Esse é o segundo tipo de tumor maligno mais comum entre as brasileiras, atrás apenas do câncer de pele não melanoma.
Uma pesquisa recente da ONG britânica Breast Cancer Care com 1 mil mulheres descobriu que um terço delas normalmente não examina os seios regularmente em busca de sintomas de câncer.
Enquanto 96% sabem que um caroço na mama pode ser um sinal de câncer, mais de um quarto delas não sabem que um mamilo invertido pode ser um sintoma.
Um caroço ou uma área do seio em que a pele está mais grossa são os sintomas mais comuns notados pelas mulheres, de acordo com o serviço de saúde britânico, o NHS.

Ajuda do limão

O professor de Oncologia Jayant Vaidya, do University College de Londres, diz que ondulações ou um achatamento do seio, principalmente quando a mulher levanta o braço ou se inclina para a frente, são importantes sinais precoces da doença,
"Além de sangramento ou secreção no mamilo, estes são os principais sinais precoces visíveis".
O especialista explica que veias aumentadas e seios inflamados são sintomas raros.
Erosão da pele, aspecto de casca de laranja e grandes inchaços são sinais de que a doença está em um estágio avançado, esclarece.
"Mostrar limões em uma caixa de ovos atrai o interesse para o assunto e ajuda as pessoas a lembrarem melhor dos sinais".
"Normalmente as mulheres encontram o 'novo' caroço no seio. É o sintoma mais comum e frequentemente o único".
Na Grã-Bretanha, é alto o número de mulheres alertas para a doença. A demora na busca de tratamento no país em geral se dá por medo ou por negação.
"Tratamentos modernos têm uma grande chance de sucesso e conseguem reduzir os danos causados pela própria terapia", diz o professor Vaidya.
No Brasil, informações e orientação sobre a doença podem ser encontradas nos sites do Inca, da ONG Fundação Laço Rosa e da Femama (Federação Brasileira de Instituições Filatrópicas de Apoio à Saúde da Mama), entre outros.
É importante estar alerta para as sensações e a aparência dos seios. Uma mudança no tamanho ou na forma, um caroço ou um espessamento da pele, devem ser levados a sério.

Exame de rotina

Jane Murphy, enfermeira especializada no cuidado de pacientes com câncer de mama, diz que as mulheres não devem ficar paranoicas sobre a doença.
"É importante que todo mundo conheça o próprio corpo e saiba como o seu seio é".
"Por exemplo, o autoexame pode fazer parte da rotina quando a mulher está passando cremes ou loções".
A ONG Cancer Research UK, que apoia pesquisas sobre a doença, lembra que a descoberta de um sinal diferente na mama não significa obrigatoriamente que a pessoa tem câncer.
"Mamilos invertidos, secreção ou brotoejas podem estar relacionados a outras condições médicas".
"Mas se você percebe mudanças naquilo que considera normal, deve procurar um médico", alerta.
"Ir logo ao médico também significa que, se for mesmo câncer, você terá a chance de fazer um tratamento bem-sucedido".

http://g1.globo.com/bemestar/noticia/como-limoes-podem-ajudar-a-identificar-cancer-de-mama.ghtml

Retirada das Válvulas em Maio/2018

Enfermeira Felício Rocho Essa foto foi tirada na minha saída do hospital. No outro dia, trabalhei normalmente e mais uma etapa vencida...